Testemunhos de um Caminho

Testemunhos de um Caminho

Estamos já no quinto ano do Bússola 21 e, ao nível da Educação da Interioridade, fomos crescendo na certeza de que queremos desenvolver uma proposta educativa que, de forma sequencial, leva o aluno a construir um EU integrado, através de experiências que geram reflexão e possibilitam oportunidades para encontrar o “seu lugar no mundo” desde chaves de realização pessoal e de serviço aos outros. O objetivo é criar um caminho pessoal e de grupo que ajuda cada um a viver com sentido as suas circunstâncias e vivências pessoais, capacitando para “dar voz” ao que se vive, se sente e pensa. Tudo isto em etapas vitais em que vemos PESSOAS em construção, com identidades únicas para TRANSFORMAR O MUNDO com responsabilidade e criatividade.

Neste sentido, e com a coloboração de um conjunto de educadores e professores, fomos construindo o nosso referencial para a Educação da Interioridade. É este referencial que “abre” o espaço do repositório dedicado a este âmbito da inovação pedagógica. 

No repositório estão, ainda, cinco sessões que foram elaboradas em 2018/2019, com o objetivo de ser uma proposta comum a todos os centros educativos. 

Queremos que, no futuro, estejam no repositório outras propostas de Educação da Interioridade que reflitam com cientificidade o Referencial já construído, possibilitando uma visão global e articulada entre os diferentes níveis de ensino. Contamos com a reflexão e o contributo de todos!

Autoria: Ir. Anabela Pereira e Ir. Susana Santos
Oficina de Inovação Pedagógica: Educação da Interioridade
Contacto: anabelaper@gmail.com e santosreisusana@gmail.com

Comunidade(s) de aprendizagem

Comunidade(s) de aprendizagem

No espaço destinado à Oficina, os recursos disponibilizados no Repositório Institucional da ESEPF organizam-se em três coleções, a dos Referenciais, que conta com o Guia da Participação das Crianças e Jovens – e se espera venha a contar, a curto prazo, com um novo documento, ainda em fase de construção coletiva com contributos de todos os Centros Educativos, a que chamamos “Degraus de Participação” –, a das atividades/projetos desenvolvidos na Creche, Jardim de Infância e 1º Ciclo, e, por fim, a das atividades/projetos desenvolvidos no 2º Ciclo, 3º Ciclo e Secundário.

Foram desenvolvidas diversas dinâmicas promotoras da participação das crianças e dos jovens nos Centros Educativos das Irmãs Doroteias, que já estão disponíveis no Repositório, e várias outras encontram-se em processo de edição, com vista ao respetivo alojamento nas próximas semanas. A diversidade alarga-se aos Centros Educativos onde as experiências tiveram lugar e aos ciclos de desenvolvimento/aprendizagem onde as crianças e os jovens se inserem.

No longo processo de aprofundamento da participação das crianças e dos jovens nos quotidianos escolares, diversos especialistas assinalam a relevância de os centros educativos se irem tornando comunidades democráticas, comunidades de prática(s), comunidades de aprendizagem intergeracional. Nessa construção, o Repositório de Projetos é um aliado precioso. Se, por um lado, sistematiza e dissemina as experiências inovadoras pela rede, por outro, celebra a própria rede como comunidade de aprendizagem.

Com o mesmo propósito, a realização recente das I Jornadas de Inovação Pedagógica Bússola 21 assinalou expressivamente a pertinência da partilha e disseminação de conhecimento no seio de uma comunidade que inova e aprende. No âmbito da participação das crianças e jovens, os artigos apresentados pelas equipas docentes, produzidos a partir da avaliação de práticas promotoras de participação, permitem perceber a forma como os Educadores e Professores dos Centros olham a riqueza de algumas das experiências vividas e possibilitam, ainda, a compreensão de um processo de reflexão sobre a ação vivida, que se deseja seja cada vez mais alargado, no sentido de fundamentar e enriquecer a ação educativa no contexto deste domínio da inovação pedagógica.A par da própria participação das crianças e jovens nos Centros Educativos das Irmãs Doroteias, o Repositório, que a partir de agora lhe dá (mais) visibilidade, é também um campo fértil, com muitos frutos a dar. Continuemos a cuidar de ambos!

Autoria: Irene Cortesão e Pedro Jesus
Oficina de Inovação Pedagógica: Participação das Crianças e Jovens
Contacto: icc@esepf.pt e pedro.jesus@csdoroteia.info

Cenários de Aprendizagem e Projetos Interdisciplinares: terrenos férteis da (re)criação e autoria docente

Cenários de Aprendizagem e Projetos Interdisciplinares: terrenos férteis da (re)criação e autoria docente

Bons métodos e boas metodologias são sempre terrenos férteis de (re)criação, onde cada docente é convidado, individualmente e em equipa educativa, a concretizar a sua autoria, através das suas decisões curriculares e da definição de opções pedagógico-didáticas.  

E porque os bons métodos e as boas metodologias – ativas e significativas – são sempre simples, não simplistas, e sem método(s) e metodologias (ativas e significativas) tudo leva mais tempo e requer muita energia, situados na linha de Benjamim Franklin, “for every minute spent on organizing, an hour is earned”, temos procurado trilhar caminhos simples, mas produtivos e, sobretudo, significativos.

Com efeito, no âmbito da Oficina de Gestão do Currículo, temos investido em método(s) pedagógicos diferenciadores e personalizados alinhados com metodologias educativas mais abertas, flexíveis e enriquecidas. É o caso dos cenários de aprendizagem e dos projetos interdisciplinares que refletem, de forma evidente e apropriada, a intencionalidade dos docente, que se traduz na construção de percursos/itinerários de aprendizagem que conduzam ao desenvolvimento das competências do Perfil dos/as alunos/as da Irmãs Doroteias, ajustados a cada um dos alunos, a cada turma e ao contexto de cada centro educativo.  

Na medida em que nos leva a organizar, a sistematizar e, portanto, a otimizar ideias, atividades, projetos, este tipo de abordagem educativa implica necessariamente uma visão estruturada de tudo o que pretendemos, ajudando a clarificar e a respeitar prioridades. Ora, este processo de apropriação, de gestão e de construção permite definir os contornos da intencionalidade pedagógica e das consequentes decisões curriculares, constituindo-se, assim, como um terreno fértil para a (re)criação e autoria docente. Os recursos criados no âmbito desta Oficina e disponibilizados no Repositório Institucional da ESEPF são, simultaneamente, frutos do trabalho desse terreno fértil e sementes plenas de potencial gerador de novas e significativas colheitas.

Autoria: Daniela Gonçalves e Helena Marques
Oficina de Inovação Pedagógica: Gestão do Currículo
Contacto: dag@esepf.pt e helena.marques@csdoroteia.info

Matriz Comum: a incorporação do Perfil dos(as) Alunos(as) dos Centros Educativos das Irmãs Doroteias na Gestão do Currículo

Matriz Comum: a incorporação do Perfil dos(as) Alunos(as) dos Centros Educativos das Irmãs Doroteias na Gestão do Currículo

O Perfil dos(as) Alunos(as) apresenta-se como uma matriz comum para todos os centros educativos das Irmãs Doroteias, designadamente enquanto referencial curricular primeiro do planeamento, da realização e da avaliação do ensino e da aprendizagem.

Os seus descritores apontam traços essenciais do perfil que se pretende que cada aluno desenvolva até ao final do seu percurso escolar em cada um dos centros educativos das Irmãs Doroteias. Por sua vez, os descritores operativos ilustram as competências desenvolvidas, ao nível da ação, demonstrando as aprendizagens realizadas e os comportamentos assumidos pelos alunos enquanto PROTAGONISTAS DA PRÓPRIA VIDA E AGENTES DE TRANSFORMAÇÃO DA REALIDADE.

A par de outras dinâmicas no âmbito da Oficina de Gestão do Currículo, iniciou-se, no ano letivo transato, um trabalho de revisão curricular e de Incorporação deste Perfil nas planificações disciplinares, de modo a que a promoção do crescimento harmonioso de cada aluno, nas várias dimensões da sua pessoa, possa ser garantida de forma integrada, pela organização do processo de desenvolvimento curricular levado a cabo pelos professores nas disciplinas que lecionam.

Com efeito, esta formação assume-se em formato e-learning, dada a participação intercentros, cujo grupo de trabalho se apropria desde logo do Perfil dos Alunos, analisando depois as Aprendizagens Essenciais da disciplina com o objetivo de proceder à articulação vertical do currículo, no sentido de assegurar a coerência e a progressão lógica das aprendizagens em cada ciclo de escolaridade. Às primeiras decisões curriculares, alia-se a reflexão sobre os pressupostos e implicações práticas da ação educativa que abre portas ao trabalho de planificação anual.  De facto, os professores desenham ações estratégicas intencionais, por sequência didática ou tema, de modo a contribuir para a relevância curricular e o desenvolvimento de competências do Perfil dos(as) Alunos(as), selecionadas segundo a especificidade disciplinar e a intencionalidade face ao contexto pedagógico. 

No ano letivo transato, o grupo de trabalho dizia respeito à disciplina de Português, sendo a vez, neste ano, das disciplinas de Matemática, no primeiro semestre, e da área de Ciências (Estudo do Meio, Ciências da Natureza, Ciências Naturais, Biologia e Geologia A) no semestre seguinte. No próximo ano letivo, este trabalho está previsto para os grupos de História e Inglês.

Não obstante a importância do produto deste trabalho, cujos objetivos passam pela (re)estruturação do currículo face à intencionalidade pedagógica, pelo desenho de estratégias de ensino e aprendizagem eficazes e adequadas a cada situação, pela definição de critérios de avaliação em função das competências promovidas, sublinhamos o valor primordial do processo, cujas finalidades passam necessariamente pela tomada de consciência do papel fundamental dos docentes enquanto gestores do currículo, pela apropriação de novas lógicas de trabalho, pela reflexão conjunta e pelo trabalho colaborativo entre professores, enfim, pelo assumir de uma nova profissionalidade docente.

Autoria: Daniela Gonçalves e Helena Marques
Oficina de Inovação Pedagógica: Gestão do Currículo
Contacto: dag@esepf.pt e helena.marques@csdoroteia.info

Projetos de inovação pedagógica integrados em Repositório

Projetos de inovação pedagógica integrados em Repositório

A criação e manutenção de um Repositório assenta num ecossistema digital de informação que serve de suporte à atividade da comunidade. 

Este assegura uma maior coerência no armazenamento possibilitando a integração com outros sistemas de informação.

O Repositório Institucional (RI) da ESEPF passou a agregar a comunidade Bússola21. Esta está organizada em 3 coleções com níveis que contém as oficinas de inovação pedagógica dos Centros Educativas da Rede Doroteia. 

O Repositório facilita o estabelecimento de procedimentos e práticas para apoio à criação e manutenção de documentos fidedignos, autênticos, acessíveis e preserváveis. 

A classificação do material alojado no Repositório advém da indexação e descrição que facilita um rápido processo de recuperação de informação, o que torna esta plataforma segura e eficaz. Identifica os trabalhos com um endereço eletrónico simples e persistente, permitindo que sejam facilmente encontrados pela Comunidade. 

O Repositório promove, apoia e facilita a sistematização e disseminação do conhecimento.  Armazena, disponibiliza e preserva a produção da nossa Comunidade, facilitando e promovendo o acesso a documentos essenciais à inovação pedagógica presente na Missão da Bussola 21.

Este arquivamento digital dá a garantia e sustenta um melhor desempenho no acesso aos documentos, sua durabilidade e confiabilidade. 

Autoria: Susana Anacleto
Centro Educativo/Instituição: Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti
Contacto: sanacleto@esepf.pt

Boas Festas 2021

Queridas/os Amigas/os da Família Doroteia

Vivamos este Natal de Jesus Menino com a certeza de que o Encontro com este Deus nos transforma por dentro e nos leva a viver o essencial que é Ele mesmo!

Na noite de Natal sintamo-nos todas/os unidas/os a viver este Nascimento tão importante da história da Humanidade! Hoje Jesus continua a “nascer” nos corações de quem se quer tornar disponível para O acolher!

O nosso próximo Capítulo Geral XXII, que será realizado de 3 a 20 de março, em Roma, tem como tema: “Regressaram por outro caminho…”. Peçamos a Deus que este acontecimento seja um momento de graça para a Congregação, Igreja e todas as pessoas que tocarem a nossa vida-missão!

Um abraço amigo e grato,

Maria da Conceição Oliveira, ssd

Olhar as estrelas do céu – Exercícios Espirituais

O que são Exercícios Espirituais?

  • Os Exercícios Espirituais são um caminho provocador. Eles mobilizam e implicam a pessoa inteira: sentidos,  imaginação,  razão, afectividade.
  • Tudo é “ordenado” para que a manifestação de Deus seja percebida a partir da nossa interioridade.

“Exercitar”, “fazer Exercícios”, “fazer Retiro”

  • despertar e fazer crescer a própria criatividade: isto significa sair dos nossos esquemas para entrar na mentalidade de Deus.

Para quem:

  • Jovens (dos 17 aos 35 anos) com desejo de crescer na relação com Deus.

Quem dá os Exercícios

  • Ir. Goreti Faneca, ssd

Quando:

  • Chegada dia 17 dezembro às 19h30.
  • Partida dia 19 dezembro às 14h30.
  • Inscrições até: 13 de dezembro (AQUI)

Onde: Casa de Espiritualidade Paula Frassinetti – Sardão.
Rua do Colégio do Sardão, 481 – Oliveira do Douro – 4430-361 Vila Nova de Gaia

Custo da atividade:

  • 40 euros  – refeições, lençóis e toalha (mas que o dinheiro não seja o impedimento para viveres esta experiência)
  • pagamento à chegada

O que deves trazer?

  • Os teus objetos pessoais.
  • A tua Bíblia.
  • Um caderno para apontamentos e algo para escrever.
  • Roupa quente para a noite.
  • Uma “vontade grande” de paragem…
X