O Meu Corpo é um Tesouro!

O processo iniciado com o Bússola 21 tem sido acompanhado por momentos de Formação específica e por momentos de Encontro e de Partilha Intercentros que se têm revelado em entreajuda, enriquecimento e aprendizagem valiosos para a Inovação pedagógica no nosso Centro, assim como, a tomada de consciência da importância do trabalho colaborativo para a mudança das estratégias e metodologias pedagógicas.

Sentimos que a abertura para a mudança acontece como resultado de todo o apoio e orientação dos responsáveis do Projeto e da adesão e entusiasmo da equipa educativa, e da direção do nosso centro que sentem necessidade de ter um Horizonte Educativo que privilegie os princípios da Democracia Participada, da Educação Inclusiva, da Heterogeneidade, com a Participação de Todos, de Aprendizagens Significativas resultantes dos interesses e curiosidades da Criança, num processo de Educação de Infância capaz de mapear aprendizagens, integrar Metodologias e de usar Diferenciação Pedagógica.

Realçamos a importância da dimensão da Educação na Interioridade, onde é dada primazia ao fazer desabrochar em cada criança a sua dimensão interior, num trabalho muito inicial mas fundamental de construção do Ser, da consciência, promovendo um crescimento amadurecido para que venha a refletir-se mais tarde numa cidadania ativa e comprometida. Neste sentido, temos proposto, desde o início deste ano letivo, diversas oportunidades de vivência de experiências de interioridade, trazendo este ano a novidade destes momentos, em que privilegiamos o silêncio e um ambiente de serenidade, convidativo à Escuta, não se restringirem à Sala de Interioridade, mas antes que se expandam a toda a Instituição, quer no espaço exterior (Jardim), bem como em cada sala de atividades, surgindo em diferentes momentos do dia, pequenos gestos que compõem as “rotinas de interioridade”.

Sublinhamos uma última proposta de atividade/interioridade no Jardim para a criança explorar a consciência corporal, a valorização do corpo e a importância dos sentidos.

Foi um momento de fruição com impacto nas crianças que foi revelado em expressões como:

“Gostei de passear pelo jardim descalço e sem meias”; “Gostei de ouvir os sons e sentir os cheiros da natureza”; “Senti-me muito bem, porque ouvi música, senti formiguinhas nos pés”; “Gostei mais de fazer desenhos na terra com folhinhas, pinhas, pétalas, bolotas, pedras e raminhos”.

Autoria: Ana Teresa Brás e Conceição Freitas
Centro Educativo: Fundação Imaculada Conceição
Contactos: geral@doroteiascovilha.net

X