Irmãs de Santa Doroteia

No ano de 1835 um Sacerdote de Bérgamo – o Padre Lucas Passi -, amigo do Padre José, passou por Quinto e, encontrando-se com Paula, compreendeu rapidamente o valor daquela jovem e do grupo iniciado por ela.
Propôs-lhe, então, assumir, como meio de apostolado, a Obra que ele estava a difundir por toda a Itália, e que tinha como finalidade formar jovens pobres e necessitadas.
Era o mesmo ideal de Paula: educação evangelizadora.
Tendo como centro propulsor a Paróquia, e com a ajuda de jovens com maior formação, o Padre Lucas Passi propunha reunir as crianças, procurando-as no seu ambiente de vida, de trabalho, pelas vielas e caminhos e, estabelecendo um laço de amizade, ajudá-las a crescer como pessoas e como cristãs.
Paula captou a originalidade e o valor apostólico da iniciativa. Na simplicidade do método encontrava a sua linha educativa.
Através da colaboração com outras jovens, que deviam também ser formadas para o apostolado, via um óptimo meio para atingir crianças que, de outro modo, ficariam excluídas.
Aceitou a proposta do Padre Lucas Passi e, de acordo com as companheiras, mudou o nome do grupo que passou a chamar-se Irmãs de Santa Doroteia por causa da Obra que tinham assumido.
Foi um momento importante na vida do grupo porque, com tal escolha, Paula definiu com maior clareza a dimensão apostólica da sua consagração e consolidou a sua primeira inspiração: estar totalmente disponível nas mãos de Deus para evangelizar através da educação, dando preferência aos jovens e aos mais pobres.