3ª Semana da Missão Brasil

Começámos a segunda-feira com um dia de trabalho no CECOSNE e acabámo-la de uma forma impactante: tí­nhamos sido desafiados pela Nalva (grande amiga desta missão e o braço direito do Sr. Eng. Sebastião 3ªsemana1Barreto Campello, no movimento Pro Criança) a participar na Pastoral de Rua com a Fraternidade do Caminho (caracterizada pela sua espiritualidade Franciscana e entrega aos pobres). A pastoral consiste numa saída noturna pelas ruas do Recife onde, juntamente com vários jovens que têm como grande objetivo ser presença entre os pobres, aproveitámos o momento para distribuir comida entre eles. Este foi um dos momentos em que o grupo mais viveu o sentido de missão, pois apesar de termos vivenciado diferentes sentimentos (raiva, liberdade, entrega, revolta, repugnância, gratidão, tristeza…) acabámos por perceber que o mais importante é “ir à rua para encontrar Cristo na miséria, não para ver o pobre”.3ªsemana2

Terça-feira foi outro dia de conhecer novas realidades: fomos convidados a conhecer o Sítio do Berardo, uma das ZEIS (Zona Especial de Interesse Social) vizinha do CECOSNE, que nos foi apresentada pelo coordenador geral Ângelo Felipe. Ouvimos uma pequena introdução sobre como este ZEIS surgiu e de seguida visitámos alguns locais emblemáticos como a Casa da Comunidade do Berardo, o Jokey Club Recife (do qual a comunidade nunca pode usufruir), a creche CMEI Alcides Tedesco (marcada pelo reaproveitamento da antiga Fábrica Têxtil que foi o local de trabalho de muitos residentes daquela Área), entre outros. Foi impressionante ver como esta pessoa, que nada tem, dá tudo o que tem àquela comunidade e afirmava-nos: “Aqui no Brasil funciona assim: quem tem tudo não dá nada, quem não tem nada ajuda quem ainda tem menos que nada”.

Os restantes dias foram passando com as preparações para a festa das famí­lias e, entre correrias e suspiros, com uma pitada de desespero pelo meio, chegou o tão esperado Sábado. Enquanto os “mais pequenos” iam chegando, nós continuávamos a suspirar com as decorações e a Irmã Goreti com as horas! Visto que S. Pedro passou a noite e a manhã a tentar assustar-nos, decidimos realizar a festa na quadra (campo de futebol). A manhã passou-se com uma gincana (caça ao tesouro, futebol com os pés amarrados, bowlling com latas e corrida de balões), origamis, batismo da capoeira, show de talentos aos quais todos aderiram e realizaram com bastante alegria. Enquanto isto, as famílias tiveram uma pequena formação com a Irmã Fabiana sobre a importância da família no dia-a-dia dos Jovens. Terminámos a manhã com um momento de oração e uma grande feijoada que a direção do CECOSNE fez questão de oferecer e servir a todas as famí­lias presentes.

3ªsemana3Acabámos este Sábado de trabalho com uma visita à Casa da Cultura, antiga prisão da Época dos Portugueses, onde transformaram as celas em lojas de artesanato, acompanhados da nossa querida amiga Raquel.

Para terminar a semana em grande, convidámos a Nalva e a sua famí­lia para almoçar em nossa casa, um almoço tí­pico portugês confecionado pelos melhores cozinheiros de comida Portuguesa do Recife: NÓS!!! Passámos a manhã entre tachos e panelas, tábuas e facas, bacias e batedeiras. Uns nas batatas, outros nas couves, outros no arroz e outros no bacalhau. Não foi trabalho fácil, principalmente o picar a couve miudinha, mas a coisa lá foi fluindo e aproveitámos para saber um bocadinho mais sobre a cozinha portuguesa.3ªsemana4

De entrada servimos um belo caldo verde com um toque especial de linguiça calabresa (chouriço), seguido do prato principal: Pataniscas de bacalhau. Entre conversas e mais conversas o almoço foi correndo e deixámos aqui uns verdadeiros apaixonados pela nossa gastronomia (apesar de descobrirmos que em São Paulo existe o mesmo caldo verde, mas certamente não terá o gostinho do nosso).

Com algumas saudades de casa, principalmente depois destes petiscos, vamos continuando a nossa missão e aguardamos ansiosamente todas as vossas respostas de carinho.